Num mundo globalizado, liberdade religiosa tem várias faces


Um dos temas que sempre debatemos por aqui e em outros blogs é sobre a liberdade religiosa no mundo atual. As pessoas tendem a se achar modernas, como temos internet, meios de comunicação à disposição e facilidade de viajar, pensamos que estamos livres, pelo menos nos pensamentos. Mas isso é uma doce ilusão.

Quase todas as pessoas tem uma crença e uma opinião sobre o que é Deus e qual a melhor forma de estar perto dele. Até os ateus, que dizem não ter Deus, tem que pensar muito em como negar, como falar, e até mesmo caem em contradição muitas vezes por não saberem negar algo e ao mesmo tempo não chamar os outros todos de burros. É sempre complicado se falar de fé e crenças.

E eis que ontem saiu a notícia de um guia brasileiro preso no Egito acusado de ter material religioso, como panfletos e Bíblias. A primeira consideração sobre este caso é que, até agora, a mídia não publicou nada de relevante, não se sabe qual a acusação real e formal e nem porque o sujeito que, diz ele, estava apenas visitando as pirâmides, foi preso. A regra número do 1 do jornalismo é dar sempre os dois lados, mas ainda não se deu nem metade dos lados neste caso.

Segundo, pelas leis egípcias, você pode professar sua fé que quiser, no país tem muitas igrejas e até sinagoga. Existem os feiticeiros também, gente que faz magia e vive nos grandes centros, como o Cairo, tenho uma amiga que é pesquisadora da USP e estuda justamente estas culturas locais lá com crenças bem diferentes do monoteísmo, Islã ou cristianismo. Ou seja, no Egito tem de tudo sim e com um certo grau de liberdade, pois os cristãos ocupam todos os tipos de trabalho, tem lojas, ocupam os mesmos bairros e estudam nas mesmas escolas. Não são obrigados a ver aula de religião islâmica e podem ter folga em seus feriados e no domingo, enquanto os muçulmanos podem ter folga só na sexta. Então muita calma na hora de sair metralhando o Egito neste quesito.

Mas sim, é um país majoritariamente islâmico, e alguns aspectos da cultura não são tão fáceis de discernimento para quem está acostumado com os moldes daqui. Lá não é comum casamentos entre religiões diferentes, as famílias – sejam cristãs ou muçulmanas – prezam pela preservação de seus credos dentro de casa e realmente não gostam de mistura. O que acontece é muitas vezes o egípcio se casar com uma estrangeira, mas como muçulmanos podem se casar com cristãs ou judias pela lei, não há problema legal para isso e muitas famílias aceitam bem, apesar de sempre agirem conforme seus costumes. Por exemplo, uma mulher cristã casada com um muçulmano, apesar de ter outro credo, provavelmente terá que obedecer o jejum do ramadan, para partilhar com a familia e se vestir de forma mais discreta. Aliás, vale ressaltar um ponto: a maioria das cristãs no egito se vestem como as muçulmanas, só que sem véu, não é bom para uma cristã lá também ficar se mostrando demais, entre os cristãos mesmo isso não é bem visto.

Mas voltando ao assunto do cara preso. Os turistas no Egito são super cuidados pelas autoridades policiais, pois é do que vive a maioria da população. Existem guardas vestidos de branco em tudo quanto é lugar, e se um dia você sofrer um abuso, basta denunciar. Assim como em qualquer área turística do mundo existem abusos, no Egito também tem quando se trata da relação vendedor-egípcio, mas se um dia você sofrer um problema, experimetne dar um belo grito e chamar o guarda, com certeza o egipcio vai se dar mal.

A questão é, que me parece muito estranho o cara simplesmente estar no Egito passeando, sem fazer nada, e a polícia prendê-lo. Se ele tinha folhetos e Biblias, no plural, é porque de alguma forma estava distribuindo isso, talvez de forma ilícita conforme as leis do país. No Egito você pode pregar sua religião como quiser, mas dentro dos templos, não se pode fazer isso no meio das ruas. Além do mais, por ser ramadan, é de extremo mal gosto se o evangelizador fez isso de alguma forma público, e certamente seria denunciado.  Eu particularmente não aprovo essa ideia missionária de alguns cristãos, não acho que é dever ficar batendo em portas e achando que só Cristo salva, de forma muitas vezes impositiva e chamando o resto de “demo”. É a mesma coisa que reclamar de liberdade religioso, mas chamo isso de imposição e invasão de espaço religioso.

Mas como muçulmana, eu acho que se queremos construir nossas mesquitas em outros países, se queremos distribuir livros em público, como está sendo feito aqui no Brasil por diversas entidades islâmicas, num trabalho que acho bem interessante, não podemos negar o direito dos cristãos ou de qualquer religião fazer isso em outros países islâmicos. A não ser na Arábia Saudita, onde realmente é nosso local sagrado e não cabe esse tipo de coisa, assim como eu não tenho o menor interesse de transformar o Vaticano num lugar islâmico.

Acho que cada um, no mundo de hoje, tem direito a seu espaço e sua fé, mas existem maneiras de se chegar nisso, em alguns lugares é mais fácil, como no Brasil, é só olhar a proliferação de igrejas que vemos como é fácil aqui falar o que se pensa e conquistar fiéis.  Já em lugares mais tradicionais, como no Oriente Médio, essa inserção não é tão bem vista, as pessoas prezam muito mais pelas suas tradições e religião, colocam no dia a dia o que praticam e concordo que seja até perigoso para um pregador tentar ficar falando e pregando em público algo diferente. O problema disso tudo, é que se distorce a questão da liberdade religiosa – que não existe nem no Brasil, nem nos EUA, nem no Egito e nem na China, etc – em uma questão envolvendo política, costumes locais e até xenofobismo em certos casos.

Infelizmente, muitos se aproveitam da religião, em diversos aspectos, para benefício próprio. Seja no uso do Islã como arma política e militar (na chamada Jihad, que em sua premissa básica não tem nada a ver com matar infiéis) ou na política evangelizadora que promete de tudo, até mesmo asilo político, para quem aceita Cristo. Infelizmente, em países como Egito e Irã, é muito comum muçulmanos “convertidos”, geralmetne de origem humilde, sem mtas perspectivas, se mostrarem convertidos cristãos e dizerem que são perseguidos pela mudança, para pedir asilo em outros locais, como sempre países de alto nível para os quais nunca conseguiriam um visto. E os cristão usam isso como propaganda, os muçulmanos acreditam menos ainda e problemas como o do guia no Egito, se repetirão para todo o sempre. Eu creio que realmente ele pensa que estava fazendo algo certo e divino, mas o mundo não é um conto de fadas, assim como eu aqui no Brasil enfrento diversos desafios acerca da minha religião, e até do demo já fui chamada, por também um evangélico…. contradições da nossa vida, difícil é fazer para os outros, o que esperamos que façam conosco, pois a tendência é de acharmos que só nós temos a razão.

About these ads

Publicado em agosto 25, 2010, em No Egito e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 29 Comentários.

  1. Oi Marina,

    Mto interessante esse seu post sobre a liberdade religiosa, sou portuguesa e católica (não praticante, como se usa aqui dizer, o que significa que fui baptizado e educada na religião católica, mas não costumo frequentar a igreja e respeitar à risca as regras) estive no Egipto por 2 vezes e tive oportunidade de tentar conhecer melhor a religião islâmica que acho bastante interessante, assim como já estive no Tibete e Nepal e fiquei fascinada pelo Budismo. O engraçado, acho coisas boas e más em todas as religiões e nunca consigo dizer, concordo totalmente com estes valores.
    Com isto quero salientar que a liberdade religiosa devia ser pensada e compreedida por cada um de nós em primeiro lugar, (infelizmente a maioria das pessoas não conhece outra religião senão a sua, e a maioria das vezes não se interessa), e aquilo que não conhecemos não podemos gostar. E acho que a intolerancia em relação às outras religiões vem muito daí, falta de conhecimento aprofundado da religião do outro.
    Na minha humilde opinião há com certeza um ser superior e criador, tanto faz que lhe dêm o nome de Ála, de Deus de Buda, que lhe chamem uma energia ou força, ele existe e está sempre um pouco dentro de todos nós.
    Parabéns uma vez mais pelo blog e continua irradiando felicidade e nos dando a conhecer um pouco mais sobre o Egipto (que adoro!! :)

  2. foi confirmado que o preso estava distribuindo material religioso, cristão, e pregando em público?

    • Rosely, ainda nao publicaram a acusação formal…. mas em outro blog uma pessoa que conhece o preso disse que ele trabalhava como guia no Egito, mas que sua motivação principal em ficar no país era para fazer “obra”, que é a evangelização. Ele estava lá há mto tempo fazendo isso, mas talvez agora alguém denunciou…

  3. masfoi confirmado que o preso estava distribuindo material religioso, cristão, e pregando em público?

  4. Legal irmã!Concordo com vc!
    Se nós fazemos a nossa Dawa(divulgação) as outras religiões tbm podem,mas com moderação!Não adianta ficar berrando.
    Meca não é lugar para católico ficar passeando com o intuito de divulgar o catolicismo,assim como o Vaticano não é lugar para muçulmano fazer isso.
    enfim,adoro o seu blog!parabéns e continue com ele!

  5. Eu respeito todas as religões na medida do possivel, tambem achei muiiito estranho ele ser preso somente por porte de biblias, até pq Egito é um dos principais destinos para perigrinação cristã, e digamos que não é novidade alguma pros egipcios receberem turistas cristãos. Evangelico adora “missão na Africa’, eu tenho uma professora q foi missionaria na Africa e ainda é pastora.
    Antes eu não me incomadava com essa mania de “cataquizar” todos que os evangelicos tem, mas hoje acho isso tão decadente :/

    Enfim como sempre a midia só publica meia verdades, e não explica a acusação real e muito menos ajuda na compreensão das pessoas.

  6. ops…só uma correção: catequizar

  7. Bom dia…
    Olha, concordo com td q vc disse…eu me converti ao Islãm recentemente e tbm enfrento uma série de preconceitos, já me chamaram de “demo” kk, de terrorista, de LOUCA !!! E se eu falo alguma coisa sobre a religião tentando amenizar a situação vem logo a resposta “Esquece esse tal de Allah menina, ele tá muito ocupado no Oriente Médio, nem tá aí pra vc”…então, desisti, por enquanto. Acredito tbm q a liberdade religiosa está longe de ser real, mas acho q tds devem respeitar a cultura do outro, se não pode não pode e pronto. Como vc msm disse, eu não vou ao Vaticano tentar converter o Papa oras bolas …rsrsrs
    Adoro esse blog !!
    Beijo
    Salam

  8. Salam Marina,
    Também vi esse caso e estava pensando em postar no meu blog.
    Faço minhas as suas palavras.
    Apesar não ter conhecer o Egito como vc, acredito que esse caso está tendo repercussão por se tratar de um país cuja a maioria é muçulmana.
    Se fosse nos EUA, por exemplo, estaria repercutindo assim tb?
    Na minha opinião, quando se vai para outro país, seja para trabalhar, morar ou até mesmo como missionário religioso, deve-se seguir as leis locais. Proselitismo (empenho ativista de converter uma ou várias pessoas) em muitos países não é permitido, somente nos templos etc, como vc bem falou.
    Se este homem realmente estava fazendo algo que não era permitido (fazer algo que não é permitido não é um ato de uma pessoa religiosa né), a lei deve ser aplicada sim.
    Uma outra notícia que deu no que falar foi da menina de 14 anos em Dubai que teve relações com um paquistanes. Aí todo mundo começou a falar: ‘Ah, que bobeira. Aqui no Brasil todo mundo tem dirteito de ficar com quem bem entende. As leis islâmicas são radicais..etc..etc… Cara, então pra que vai então para um país islâmico?
    Deveria ter uma cartilha para ensinar esse povo a agir corretamente quando estiverem fora do Brasil.
    Desculpe se escrevi demais mas eu fico indignada com pessoas que não sabem a diferença entre ‘bife de caçarolinha e rifle de caçar rolinha’ e ficam falando besteiras.
    Mais uma vez parabéns seu post foi 10!

    Allah swt protect you and your family

    Ramadan Mubarek

    Bjos

  9. olá marina…concordo plenamente com seu post..muito interessante…eu acho que quando se viaja para conhecer outras culturas, acho que devemos ter um minimo de respeito..achei bem interessante quando vc disse sobre a distribuição de livros sobre o islã no Brasil, eu já li alguns,e nem por isso deixei de ser cristã,pelo contrário passei a ter um respeito maior pela religião…infelizmente muitas pessoas de várias religiões possuem uma cisma de tentar converter o próximo, quando não ficam falando na “coisa ruim” como dizem alguns carismáticos…afff…e na minha opinião outro assunto muito complicado é a conversão..não sou contra não…pelo contrário,por ter tido desde cedo contato com católicos,evangélicos,espiritas,jeovas e etc,penso que as pessoas devem ser livres para expressarem sua religião e que se elas não estão satisfeitas nas mesmas, se desejam mudar,devem mudar não??e sem perseguição…bjus

  10. no Brasil, relações sexuais com crianças ou adolescentes, é PEDOFILIA, crime inafiançável e sujeito a vários anos de detenção. temos que ter certo cuidado para não passarmos a impressão de que no Brasil, tudo é permitido e tudo se faz sem punição. o Brasil não é um país de tradição muçulmana. é predominantemente cristão, mas tem seus códigos de Leis, tem seu código penal…sei que aqui cresce a violência urbana, a guerra do narcotráfico nos assusta…há a corrupção em vários setores…há a violência contra a mulher,como existem várias formas de violência contra a mulher em várias partes do mundo, há a pedofilia…tudo isso faz parte da nossa triste realidade aqui, no Brasil…mas aqui não é uma terra sem lei…aqui não é permitida relações sexuais com menina de 14 anos…é crime e sujeito a penalidade, a reclusão na cadeia… eu não sou católica, apesar de toda a minha família ser. creio na sobrevivência da alma após a morte, creio na reencarnação, e isso é completamente rejeitado pela religião católica. sou kardecista…mas gosto muito de ler sobre o budismos, sobre o islamismo…um amigo meu, árabe, me enviou por email um site de uma TV árabe, onde escuto o recitar do alcorão…je ne comprends pas la langue mas, me dá uma sensação de paz…gosto e respeito…a cultura árabe me atrai…o meu namorado é árabe e quero muito que tudo dê certo entre nós…mas o ser humano não é perfeito. somos sujeitos à falhas, a erros, porque ainda não atingimos o estágio de evolução que nos torne puros, anjos ou santos. independente de religião, de cultura, de tradições…seja no Brasil, na China, no Paquistão, Egito …onde quer que seja, não somos seres prontos, evoluídos, puros…muitos europeus e árabes acham que toda mulher brasileira é fácil, que toda brasileira se mostra na cam (msn)…mas, observo que é grande o número de europeus e árabes( muçulmanos) nos sites de relacionamento da NET…logo que conhecem as mulheres ocidentais nesses sites, já se dizem apaixonados, já querem MSN, cam…e sei de muitos homens, incliusive árabes, que se irritam quando as mulheres não mostram na cam o que eles querem ver…em seus países de origem, as mulheres não se expõem…são recatadas, puras, cobrem o corpo…são as ideais para eles que são árabes e mulçumanos…mas,então, o que explica esse número cada vez maior de árabes nos sites de relacionamentos? tanto namoro de árabes(“puros”) com italianas, francesas…brasileiras(“impuras”)? o que procuram? o que querem? amor e sexo mais livre, mais liberal? gosto desse blog e gosto da maneira como cada tema é tratado e comentado pelas participantes desse blog. as mulheres, aqui, mostram que têm opinião, e isso é muito bom. mas, às vezes, há uma impressão de que tudo no mundo árabe é bom, perfeito, puro, ideal…por causa do Islamismo…e que aqui no Brasil, e no resto do mundo…sempre o pior? no Brasil temos a guerra sangrenta do narcotráfico…em outras partes do mundo, outras guerras sangrentas…muitas delas são motivadas pela intolerância em se aceitar as diferenças de religião…na época das eliminatórias (jogos) para a Copa do Mundo de 2010, sério conflito estourou entre argelinos e egípcios após um dos jogos…os governos desses países tiveram que intervir…o que eu quero dizer é que problemas existem, falhas existem, erros existem, seja no mundo árabe ou no mundo ocidental. bjssss para todas desse blog, bye

    • Oi Rosely,
      o que vc já falou já comentei varias vezes, que nem todo home é igual, nem todo país árabe por ser muçulmano as pessoas fazem só o certo.. o Egito tem uma série de defeitos que poderia passar dias descrevendo, tanto que saí de lá e moro no brasil agora… ehehe acho que talvez pelo post estar falando de uma questão específica, parece que o pessoal só fala mal do brasil e “endeusa” os árabes, mas mto pelo contrário, acho que esse blog já avisou tanto sobre as coisas boas e ruins… infelizmente nao dá pra considerar q hj existe nenhuma nação islamica que siga corretamente tudo que se tem na religião, a maioria falha grotescamente nisso!! acho que paraíso mesmo, só depois q morrermos, pois na terra impossível

      beijos

  11. pois é amiga, concordo com você! quanto ao paraíso, depois que cumprirmos a nossa missão nesse mundo, e partirmos…paraíso, vai depender muito, muito, do nosso grau de merecimento….o nosso futuro, como almas eternas que somos, construimos hoje, no presente, tijolinho por tijolinho…os tijolinhos das nossas ações presentes… no futuro, colheremos ainda aqui ou em outros planos astrais, os resultados das nossas ações…do ‘edifícil” que erguermos com os bons ou os maus tijolinhos…tudo vai depender das nossas escolhas, do nosso livre arbítrio. bjssss

  12. Marina, a questao e polemica rs
    Mas uma coisa te digo, em estados do egito como elmenia e assiut a coisa nao e tao calminha nao.
    Os cristao matam muslins e vice e versa, guerra mesmo.
    Morei la uns 2 meses e vi de perto que a coisa nao e amena mesmo
    Em assiut muito pior. La tem morte de familias e mais familias por questoes religiosas mesmo, cristaos vs muslins e muslin vs cristaos.
    Cristao nao compra na loja de muslim e vice e versa.
    Eu vi gente que cuspia na calcada das lojas da oposicao da religiosa de elmenia.
    Vi muslim nao vender pra cristao e vice e versa, cheguei a ver o cara da padaria pedir 10 Le por um pao que custava 20 piastras rs, assim na cara dura pq o cara era cristao.
    Falar de Egito e complicado, a maioria de atrela a Cairo, Alex, Luxor e Aswan, mas vai pra Elmenia e Assiut, la o bicho pega e pega feio.
    Eu via briga de faca todo santo dia rs
    beijos

    • Salam Taci!! é, mas o que falei no post foi justamente que essa liberdade é uma doce ilusão… eu falo mto por Alex e da classe social que vivi lá, sempre tento deixar isso claro, pois isso varia muito no Egito. Inclusive as cidades do interior, como eles chamam de faleh, é simplesmente outro mundo de onde vivi e conheci brasileiras que passaram mega sufoco morando nestes lugares, pois as pessoas chegam a ter costumes até tribais. Meu marido que é egipcio, as vezes conto para ele as coisas q as brasileiras nestas areas vivem, nem ele acredita que possa acontecer no Egito… mas a questão é que é o mesmo que acontece aqui nos interiorzão do Brasil, vemos até crimes de honra, gente que tem outra cabeça q em SP jamais teria… mas falando por Alex e o bairro onde vivi, que é Sidy Gaber, cristãos e muçulmanso viviam mto bem tranquilos, no meu prédio tinha, perto da minha casa tinha tanto mesquitas como 2 igrejas, e 50% das mulheres por ali – mesmo muçulamnas – nem hijab usavam… e não penso q todos os egipcios são tão abertos assim em questão a religião, mas tb não acho que o país seja de todo intolerante, em relação a outras nações da região, até que se viram bem.

  13. Marina, e você, ou alguma das nossas amigas aqui deste blog, sabe como é a questão da tolerância religiosa lá em Douz, interior da Tunísia? lá é patrimônio histórico tombado pela UNESCO, recebe muitos turistas, muitos hotéis, resortes, etc e tal…mas, e para se viver, pra quem como eu, é cristão, de uma outra nação? alguém já passou por alguma experiência boa ou má, lá na Tunísia, em Douz, e gostaria de relatar aqui para nós? aguardarei uma resposta. thanks and kiss!!!!

    • Olá Rosely

      Em regra geral as pessoas na Tunísia são tolerantes e nunca tive nenhum tipo de problema por ser cristã e ter um crucifixo ao peito.
      Conheço alguns portugueses que vivem lá a tempo inteiro e estão muito satisfeitos. Claro que as zonas turísticas e urbanas são sempre mais desenvolvidas, e o interior mais atrasado…depois, claro que existem pessoas más e intolerante como em qualquer lado, mas acho a Tunísia bastante pacífica e sem problemas quanto à permanência de cristãos por lá. Não esquecer que a Tunísia tem também uma comunidade de judeus bem famosa, na ilha de Djerba e várias igreja…eu mesmo já visitei uma.
      pARA alguma coisa, estou ao dispor.
      Espero ter ajudado,

  14. Olá Marina concordo com tudo o que vc disse!
    Adoro seu blog!
    Parabéns!
    Continue firme!!
    Mas,me ajudem em uma coisa.
    Eu estou começando um blog no WordPress e queria saber como eu faço para deixar as minhas tags que nem a sua,sabe?Assim uma maior que a outra.
    As minhas ficam do mesmo tamanho e eu não gosto.
    Você pode me ajudar?Desculpe minha burrice,mas eu to começando e não sei nada!
    Se vc puder me ajudar,muito obrigada!
    Beijos

  15. Gostei muito da sua visão crítica diante do assunto. Infelizmente vivemos em um mundo Midialístico, q acabada transmitindo o que é interessante e oq trara repercussão. Sendo essa a verdade ou n, oq temos q saber fazer é respeitar os limites e saber das regras existentes em cada país q iremos visitar. Quem escolhe o Egito p/ uma viagem sabe q é um país 99% islamico, ainda mais no caso dele q escolheu o mês do Ramadan oq complica ainda mais as coisas. Adorei o texto, serviu para abrir a mente das pessoas e estimular a olhar por varios angulos.

  16. Rosely,
    Acredito que quem pode te dar informações sonre a Tunísia é nossa amiga Camila do blog http://camilaconstruindopontes.com/
    Ela é portuguesa, o noivo é da Tunísia e ela vive sempre por lá.
    Vale a pena contatar.

    Bjs

  17. valeeeeeeu, minha linda!!!! merci!

  18. Diante de fatos assim, só posso fazer um comentário ” As Religiões são seguidas por humanos e, nós humanos, somo FALHOS”. ;)

  19. Corcondo com vc em tudo…escrevestes muito bem…alíás como sempre..deixando tudo bem claro!
    E é claro, em terra de sapo se acocore…é uma questão de respeito e sensatez.
    Bjss..

  20. Liberdade religiosa??? Só no papel né… Tenta passar pela Polícia Federal no Aeroporto Santos Dumont… vai ver que liberdade religiosa é apenas uma utopia. O mundo só terá a tão falada “liberdade” quando pararem de querer impor suas próprias crenças aos seus semelhantes, não digo que não se deva conversar e ensinar aos outros sobre sua religião, mas também não se deve pensar que todas as outras almas estão em suas mãos se vc não as informar sobre sua a religião (assim como pensam alguns cristãos), devemos aceitar que cada um segue o que lhe agrada e que todos somos diferentes, com diferentes escolhas. No dia que aceitarmos uns aos outros da forma que somos, com as escolhas que fazemos, conseguiremos então a tão sonhada liberdade religiosa.

    ___Salam Marininha…. To de volta =D

  1. Pingback: Num mundo globalizado, liberdade religiosa tem várias faces … | Veja, Brasil

  2. Pingback: Num mundo globalizado, liberdade religiosa tem várias faces … | Veja, Brasil

Deixe um comentário e vamos interagir!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 403 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: